sábado, janeiro 26, 2008

Arquipolacadas - III

As casas de banho normalmente não são dos tópicos mais discutidos em blogs. No entanto, e numa onda de contra-corrente aqui vai uma pequena abordagem, mais concretamente sobre os lavabos. É muito comum encontrar em casas velhas cubiculos que não têm mais do que a sanita (vulgo cagadouro). Assim, após uma pessoa realizar a tarefa nº1 ou nº2, tem de lavar as manápulas a outro cúbiculo onde está o lavatório.
Ora estando este processo disperso por dois locais, é expectável que indivíduos mais bácoros descurem a parte do lavatório. Posto isto, dar apertos de mão a polacos é sempre algo que enfrento com temor, pois ao invés de másculo aperto de mão, tento sempre algo o mais delicado possivel. Assunto de caca este, mas o ritmo de trabalho não permite uma melhor iluminação de ideias.Mea culpa.

3 comentários:

geraldo geraldes disse...

fodass, desde quando os francius são exemplo para alguém no que à higiene diz respeito. Se calhar os polacos inspiraram-se neles para isto.
Quanto à cura para o nosso mal, ela não é de fácil busca.

hkt disse...

É a primeira vez que aqui venho. Este post trouxe-me recordações antigas de mais de 20 anos. Pois bem, na altura era bem pior. Para começar o papel toilletowe era um produto de luxo... felizmente havia os jornais do regime. Não me poderei nunca esquecer das "bolinhas" e dos "triângulos" (ainda existem?) nwm sa casas de banho dos combóios (com sanita com vista para os carris... Coisas que não se esquecem.

Rui Vilela disse...

Exacto 2 portas: Sanita, e na outra porta o lavatório e casa de banho. Isso dá para pensar que tens de abrir duas portas para chegar ao lavatório. Se existir lavatório :). Um polaco disse-me que usam logo o chuveiro, inclusive para lavar os dentes.