segunda-feira, outubro 09, 2006

3ª coisa mais importante na vida a seguir a..

..beber e comer, é como não podia deixar de ser o falar ao telemóvel. Pelo menos era assim que funcionava quando deixei as belas praias lusitanas. As coisas aqui pelo centro da Europa não são tão extremas. Não que qualquer chavalo não deixe de ter o seu telemóvel, mas pelo menos aqui as pessoas são capazes de ir almoçar sem levar o telemóvel (situação parcialmente explicada pelo almoço demorar menos de 20min) e ao escrever sms em vez de abreviarem as palavras ainda as aumentam (por exemplo, sms passa a ser smsa!!). Isto não é viver, é sobreviver.
Tendo à disposição três operadoras de telemóvel (Era, Orange e Plus), resolvi inventar e escolhi a pior. A saber, Plus. Ou pelo menos é a que tem menor quota. Porquê? Porque foi a que vi com telemóvel com preço mais barato. 179 zlotys por um Sony-Ericson que me oferece o mesmo nível de status de um pastor do concelho do Mogadouro, sem contrato de fidelização e cartões recarregáveis de chamadas foi a minha desgraçada escolha, cujo fardo da ostracização carrego agora.
Prova do atraso de Portugal e da ronha da Anacom é a facturação ao segundo desde o primeiro minuto que existe na Polónia, e não em Portugal. Assim, uma chamada do género: "Atão Pawel, onde tás?....No bar da empregada jeitosa ruiva?Ok, vou ai ter. Até já" fica mais barato que um sms. Para carregar as chamadas, compra-se um cartão em quiosques/supermercados, raspa-se um código, escreve-se isso e zás, está carregado.
Mas francamente, como conseguem viver estas gentes sem pelo menos 2 telemóveis. É que nós não conseguimos.

1 comentários:

Zé Navalhas disse...

Diz mal desses sacanas da Anacom!Não fazem nada!